Logo abaixo a Galeria dos Meus Leitores Especiais

Autor

Autor
Pseudônimos

Num barco, no mar revolto de palavras

Um texto só sobrevive, se arrebanhar um leitor!!!!
Um leitor só existe, se alguém escrever!!!


quinta-feira, 23 de setembro de 2010

O tempo de espera !!

O tempo de esperaJustificar

O sol principiava com os seus raios no horizonte, a barra do dia apontava-se com a cara no mundo as cinco e meia da manhã daquele dia dezenove de novembro, ano da graça, 1964. Raísa assustada deu um soco no relógio como se fosse a própria cara, levantou-se rapidamente e foi acordar o marido, esquecera de colocar o despertador ligado. A passagem fora comprada com uma semana de antecedência. Era impertivo que viajassem.

Apressados trocaram-se, tomaram café pelos olhos e narizes, e saíram em direção à estação de trem. Num átimo estavam lá, já haviam feito a parte que lhes cabiam, teriam apenas de esperar. Sentaram-se e, com a respiração ainda ofegante, aguardaram o comboio das seis.

Oito horas, na fisionomia a ansiedade pela viagem, o trem não chegara no horário. Era possível que atrasasse, naquele tempo havia muitas mudanças, mandos e desmandos.

O sol já começava a arder nas costas dos lavradores que capinavam o milharal em frente à plataforma número cinco.

- Dez horas! - disse um cidadão a um menino que ali passava em direção à escola e nada de trem.

Viram pessoas indo ao trabalho, portas abrindo, pássaros deslocando de um lado a outro. O trem eles não viam. Colocavam uma das mãos na testa como aba de boné como se este ato aumentasse a visão e olhavam demoradamente para o longe da linha férrea. Nada de trem. Incrédulo, internamente não aceitavam que o mesmo trem que viram passar por tantas vezes e quase que pontualmente, não aparecer, achavam que poderia ser azar, quase nunca saíam de casa. O esposo chegou a pensar num possível desastre. Se fosse saberia. O chefe da estação passara por eles várias vezes e não mencionara a palavra desastre. Apenas dizia ser atraso.

A fome apoderou-se de Hermínio, que sentado no banco, pôs-se a abrir a sacola. Dela retirou alguns bolinhos. Comeu-os vagarosamente com o olhar perdido na distância, o barulho do mastigar entrava na sua cabeça como o rodar do trem nos trilhos, era tão devagar como se triturassem os bolinhos e os trilhos. Desviou o seu olhar para onde se via dois lavradores que descansavam à sombra de uma goiabeira. Já passavam das quinze horas.

A esposa nem dizia nada. Acostumara-se a ditadura do lar. Pouco era ouvida e já se acostumara com os atrasos. Só confirmara as afirmações do marido, sempre foi assim, seria assim. O trem era mais ou menos como o marido, as vezes vinha para casa e as vezes se atrasava nos botecos da vilinha e as vezes nem vinha.

Às cinco da tarde, o chefe da estação os avisou que num determinado trecho, perto da cidade de São Roque, estavam recolocando uns dormentes que tinham sido arrancados pela chuva e que só retornariam à normalidade no dia seguinte.

Na manhã seguinte, às seis horas, os dois retornaram à estação e tomaram o trem com destino à Sorocaba.
(Santiago Derin)

2 comentários:

  1. e mais não é preciso, não é mesmo? quando o amor, ou a paixão, assim bastam.

    ResponderExcluir
  2. muito muito bonito, e tão verdadeiro!

    ResponderExcluir

Leitor, preciso de você!!
O meu texto só existirá se você ler!!
Deixe suas impressões! Abraços!!